POR QUE SOU CONTRA O GAUCHÃO

Não estou escrevendo nada sobre a CARAVANA DA MISÉRIA porque, infelizmente, não se trata de um campeonato cujo objetivo DEVERIA SER o de fomentar o profissionalismo REAL e SUSTENTADO nos clubes do interior. Diante desse quadro e do montante necessário para se investir em futebol profissional colhendo frutos em um prazo nunca maior do que cinco anos, tampouco existe um estímulo para que tanto os municípios como a iniciativa privada invistam nesses clubes.

Quem disputa as séries A, B e C do BRASILEIRÃO de pontos corridos, todos contra todos em ida e volta, jamais deveria ser obrigado a disputar esse torneio amistoso, desorganizado, onde o que prevalece é o jabá institucionalizado por relações empresariais das mais chinelonas que eu já vi. Nesse sentido, até mesmo para benefício dos clubes pequenos que ainda não atingiram esse patamar, sugiro a formação de uma LIGA, onde os próprios clubes seriam responsáveis pela organização do certame e pela constituição de um corpo de administradores, médicos, advogados, psicólogos, assistentes sociais, engenheiros, arquitetos e desenvolvedores de software que serviria como exemplo para que a FIFA reconhecesse que o modelo hierárquico CBF – federações estaduais – clubes de ponta – clubes pequenos está repleto de vícios dentro do BRASIL e que é necessária uma mudança radical desse quadro.

Hoje, observo que a COPA PAQUETÁ é um torneio que atrai mais público, que envolve mais as comunidades e que é, sem sombra de dúvida, mais organizado do que o GAUCHÃO. Quando o amadorismo supera o profissionalismo não apenas  no espírito lúdico, comunitário e integrador, estamos diante de uma séria crise de organização patrocinada por aqueles que possuem dinheiro, patrocinadores, tradição e o respaldo de seus filiados, por mais prejudicados que eles sejam durante a disputa desses certames.

Sempre que eu falo no exemplo top, não quero com isso dizer que o futebol brasileiro não presta: o que não presta aqui é a mentalidade reinante entre a maioria dos dirigentes e daqueles que patrocinam ou poderiam vir a patrocinar o esporte. Contudo, há uma abissal perda técnica relacionada à ida precoce de jogadores que também não são mais preparados para executarem jogadas mais técnicas aliando-as à objetividade. Pensa-se tão-somente na segunda.

Por isso, a emoção não está mais em respeitarmos e admirarmos clubes que jogam bonito e são estruturados quando o nosso próprio time vai mal. Então, sabemos que os gols em profusão surgem mais por ruindade da defesa do que pela qualidade do ataque, bem como a falta de gols reside mais na ruindade do ataque do que na qualidade da defesa. Torcer pelo futebol brasileiro profissional virou mais uma questão de hábito, de afeto e de alteridade do que de orgulho.

Mal comparando, o futebol inglês é sensacional porque há dezenas de ligas divididas em cerca de oito divisões. Aqui, temos séries A, B, C e D do BRASILEIRÃO, COPA DO BRASIL e CAMPEONATOS ESTADUAIS que, fora em SÃO PAULO, costumam apresentar apenas uma ou duas divisões.

Na INGLATERRA, se um grupo de amigos barrigudos regados a churrasco, cerveja, mulheres cricri, filhos barulhentos, falta de dinheiro e um emprego frustrante quiserem montar uma liga de times de bairro ou de ruas com um gramado comum (p. ex.: PRAÇA ARARIGBOIA em PORTO ALEGRE) ou com pequenos estádios particulares (p. ex.: FORÇA E LUZ, também em PORTO ALEGRE), esses caras serão federados, fichados na FEDERAÇÃO INGLESA como jogadores. O torneio deles faz parte de uma liga, na qual a federação só irá intervir caso haja desorganização ou falcatrua gritante e comprovada. Aí, os melhores dessas ligas vão subindo de posto aos pouquinhos.

Hoje, se pegarmos como exemplo apenas a SÉRIE A do GAUCHÃO, mesmo que tiremos fora GRÊMIO, FRAGÁRIOS, JUVENTUDE e CAXIAS e mesmo que, eventualmente, surja como força efêmera um ESPORTIVO, FRAGARINHO-SM, VERANÓPOLIS ou 15 DE CAMPO BOM, peguem a infraestrutura dos demais participantes. Tirando o COLOSSO DA LAGOA do YPIRANGA DE ERECHIM e, mais ou menos, o PASSO DA AREIA, me digam quem é que tem uma estrutura patrimonial, técnica e financeira minimamente digna para serem considerados superiores ao que possui o hoje gramado de aluguel sem time nem clube em âmbito reconhecido do FORÇA E LUZ?!

O que explica o quase desaparecimento do AIMORÉ DE SÃO LEOPOLDO; a neccessidade do NOVO HAMBURGO ter tido que se desfazer do SANTA ROSA e jogar em um gramado que quase não possui arquibancadas; a precariedade absoluta dos estádios ESTRELA D’ALVA (BAGÉ), DOS PLÁTANOS (SANTA CRUZ), ALTO DA GLÓRIA (VACARIA) e tantos outros? Por que cidades ricas do interior não investem nesses clubes?

Tenho gostado do GRÊMIO em 2009. Me parece promissor. Obviamente, sigo indo aos jogos.Também não deixo de acompanhar a política através dos blogs amigos listados na coluna da direita.

Todavia, em termos laboratoriais, considero essa opção muito pobre. Creio que deveríamos seguir o calendário europeu, a SELEÇÃO deveria atuar dentro do país sempre que possível e a pré-temporada deveria ser mais corajosa, mais audaciosa, mais arrojada: nossos grandes clubes, de maneira geral, se borram de medo de terem que enfrentar um clássico com a musculatura rígida, desentrosados e com alguns quilos a mais.

Na ARGENTINA, país vizinho, rival e de clubes ainda mais decadantes e piores tecnicamente do que a maioria dos nossos, os grandes se encaram na praia, no lendário ESTADIO MUNDIALISTA em MAR DEL PLATA, para os TORNEOS DE VERANO: BOCA, RIVER, RACING, INDEPENDIENTE e SAN LORENZO estão todos lá.

Seria o mesmo que GRÊMIO, FRAGÁRIOS, SPFC, CRUZEIRO e PALMEIRAS (dos grandes, os únicos cinco realmente organizados do país) se encararem em MACEIÓ, VITÓRIA, NATAL, JOÃO PESSOA em duas semanas de tiro curto.

Da mesma forma, nossos pequenos só irão crescer caso o parâmetro de comparação deles seja elevado a um patamar mais alto. Por exemplo: as campanhas dos nossos clubes na SÉRIE C do BRASILEIRÃO são, via de regra, vexatórias. Por que? Porque a FGF os obriga a disputarem Copa Borges de Medeiros, Copa General Neto e assim por diante dando-lhes vagas à COPA DO BRASIL e porque não existe comprometimento nem ajuda para que a estrutura do primeiro semestre seja mantida ou aperfeiçoada no segundo. Daí, quando surge pela frente um ‘grande’ de SC, CE, RN ou um ‘médio’ de SP, GO ou BA, nosso interior leva sumantas de dar dó.

Assim como está, prefiro dar uma caminhada ou pegar um T2A pra assistir a uns dois jogos no final da tarde de domingo ali na ARARIGBÓIA.

Anúncios
Sobre

Prof. M.S. @heliopaz | @unisinos | @comdig | @agexcom | @jetunisinos | @cultdigitalunis | @gremiosempre | http://bitly.com/tNhPU3

Marcado com: , , , , , , ,
Publicado em ATIVISTAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

page views
  • 309,034 (d. 12/05/2006)
Free hit counter estatísticas heliopaz.wordpress
comentários
Suzimary em PIRÂMIDE DO CAPITALISMO (…
Ivo Antônio Barra em E-MAILS DOS MINISTROS DO …
maison pereira lima em E-MAILS DOS MINISTROS DO …
Francisco Reginaldo… em E-MAILS DOS MINISTROS DO …
Francisco Reginaldo… em E-MAILS DOS MINISTROS DO …
%d blogueiros gostam disto: