BRASIL: FRAUDE NAS URNAS ELETRÔNICAS

8 comentários sobre “BRASIL: FRAUDE NAS URNAS ELETRÔNICAS”

  1. Urnas eletrônicas*

    O Brasil tem comemorado a rapidez na apuração das eleições. E de fato o processo de apuração de votos via urnas eletrônicas, se comparado com o processo de apuração quando o voto se dava através de cédulas, sendo, portanto, manual, restou ultra rápido.
    No entanto, se indaga sobre a transparência, controle interno e externo, e sobre a segurança do chamado voto eletrônico. E as indagações não se resumem apenas a estes aspectos. Pelo que se sabe, desde 1996 existe a preocupação suscitada por especialistas de um controle mais rigoroso e de um aperfeiçoamento do processo eleitoral via urnas eletrônicas.
    Munir as urnas eletrônicas de programas e dispositivos que assegurem a suas inviolabilidades contra fraudes e “ataques” de hackers, e de outras intervenções que possam macular os pleitos eleitorais é de suma urgência, importância e condição de segurança.
    A Justiça Eleitoral e setores significativos da sociedade brasileira estão conscientes de toda problemática que envolve o uso de urnas eletrônicas nos pleitos eleitorais. Porém, devem existir dificuldades concretas, e de tal monta, que têm impedido que as soluções para os problemas constatados, no que tange ao uso das urnas eletrônicas, andem com a mesma rapidez com que se apura o resultado de um pleito no Brasil.
    A par de querermos rapidez na apuração dos resultados, não queremos apenas rapidez. Queremos confiabilidade, transparência, segurança. A confiabilidade se espelharia na certeza de que um voto dado a um determinado candidato realmente foi destinado a este candidato. E até o momento, o cidadão ao votar e após votar não possui esta certeza. Ou seja, não existe disponível ao cidadão pela via do voto eletrônico um meio que lhe dê a certeza do destino do seu voto.
    Com as emissões de comprovantes de voto pelas urnas eletrônicas e que seriam depositados numa urna paralela, em caso de dúvida ou qualquer outra suscitação, seria plenamente possível a recontagem dos votos.
    A identificação digital do eleitor que já está em fase de experimentação, também será uma medida de suma importância. Afinal, além da apresentação do título ou de outro documento de identificação e a assinatura no Caderno de Votação, não existia outros meios de identificação do eleitor.
    Já a transparência se dará quando a Justiça Eleitoral ficar tão somente com a função judicante, ou seja, sem qualquer participação direta nos procedimentos pré-votação, durante o pleito e após o pleito. Cabendo-lhe apenas o decidir sobre pedidos, ações e recursos eleitorais. Mesmo as suas Resoluções não poderiam ir além do que dispõem as leis.
    Sem que a Justiça Eleitoral franqueie aos cidadãos, partidos ou coligações cópias de documentos, inclusive por mídia, para instruírem ações, impugnações e recursos, estaremos longe de vislumbrar qualquer insight de transparência.
    É inadmissível sob qualquer pretexto negar o acesso a informações, documentos ou dados eletrônicos que estejam em poder do Judiciário e que são indispensáveis na fase de produção de provas, ou que são provas a serem produzidas antecipadamente. Se não se tem nada a esconder, porque se acredita serem “absolutamente invioláveis” as urnas eletrônicas, mais razão para disponibilizarem sem qualquer resistência o que se pede na forma da Lei e com amparo na vigente Constituição Federal.
    Neste sentido caminha o recém criado Movimento pela Transparência e pela Segurança do Voto (MTSV) que reúne representantes de mais de trinta e dois municípios do Sul de Minas e já conta com representantes do município paulista de Praia Grande.
    O silêncio dos bons, que tem sido de grande serventia à impunidade e à ousadia das ações ilícitas de oportunistas e de todo tipo de maus políticos, precisa e vai dar lugar a voz rouca e secularmente oprimida das ruas, das vielas, dos morros, dos becos escuros e ermos, dos campos mais longínquos, das cidadelas mais esquecidas, quase perdidas deste imenso Brasil.
    * Donizetti Andrade é advogado especialista em Direito Público.

  2. Aqui em Fortaleza aconteceu uma coisa parecida com o caso de Caxias no Maranhão e de outras cidades.
    O ex-Prefeito e ex-Deputado Federal Antonio Cambraia candidatou-se a Vereador.
    Ele sempre teve muitos votos na Capital.
    Na última eleição que concorreu a Prefeito (2004), teve mais de 200 mil votos.
    Para Dep. Federal, teve em Fortaleza: 65.000 na primeira e 23.000 na segunda eleição.
    Desistiu de se candidatar para um terceiro mandato de Dep. Federal (2006), numa eleição tida como ganha.
    Quando Prefeito (1993-1996), esteve sempre entre os melhores Prefeitos das Capitais (1ª, 2ª e 3ª colocações) no ranking do Instituto Data-Folha.

    Nestas eleições de 2008, esteve sempre nos primeiros lugares nas pesquisas, para vereador.
    Os dez primeiros colocados nas pesquisas, todos foram muito bem votados, exceto o candidato Cambraia.

    O clima da campanha nunca foi tão favorável ao candidato. Com tantos apoios espontâneos, com tantas manifestações de voto,como nunca havia acontecido em eleições anteriores de que o mesmo participou.

    Caso concreto: No dia da eleição muitos eleitores reclamaram que ao digitarem o nº do candidato, não tinha aparecido nem o nome nem a fotografia do mesmo. Inclusive a sua esposa, que reclamou na hora junto à mesa receptora.

    Na 2ª feira após as eleições, 32 pessoas entraram em contato com o candidato ou com pessoa sua, para informar que não tinha aparecido nem o nome nem a fotografia do candidato. Nos dias seguintes várias outras pessoas disseram a mesma coisa.

    Ora, se você digita um número de um candidato que não existe, não aparece foto nenhuma e aí se você aperta a tecla CONFIRMA, o seu voto é computado como nulo.

    Nos casos em que o eleitor digitou o número correto de seu candidato e a respectiva foto não apareceu, é como se tivesse digitado um número errado. Ao acionar a tecla CONFIRMA aquele voto é computado como nulo. Acho que foi isso o que aconteceu o candidato Cambraia, que ninguém em Fortaleza imaginava que não fosse eleito, pelo contrário, todo mundo dizia que ele seria o mais votado. E as pesquisas confirmavam isso.

    A votação do candidato não lhe permitiu a sua eleição, o que causou uma grande surpresa em toda a cidade.

    NB: o número de votos nulos para vereador foi muito grande.

    É uma pena que os Tribunais Eleitorais não consideram nem aceitam nenhuma hipótese de erro da urna eletrônica.

  3. As fraudes foram escandalosas mesmo em varias cidades aqui da região, onde vamos parar será que eles não tem vergonha na cara.
    Aqui em Itapevi a Prefeita eleita que por sinal votei nela e me arrependo profundamente já sabia que ia ganhar com mais ou menos 70% dos votos e que iria fazer os 13 vereadores todos do lado dela e foi o que aconteceu, varios vereadores eleitos estavam comemorando já na sexta feira dia 3 a vitória nas eleições, vi muita festa feita por eles , IGOR SOARES, CASÃO, BOLOR, ADILSON PERES, JÚLIO PORTELA, PROFESSOR PAULINHO dentre outros e os que trabalharam firme até o último dia tiveram uma votação ridícula, como ví em otros sites foi uma votação estranha com resultado esquisito.
    Na cidade temos uma briga antiga entre a prefeita reeleita Dra. Ruth e o Dep. Estadual João Caramez, a cidade sempre foi dividida e dessa vez os partidos que apoiavam o candidato do Deputado não fez nem um vereador uma coisa impossível de acordo com o próprio povo da cidade.
    Na hora do voto número de um, foto de outro candidato, foto que não aparecia, urnas que travavam, varias e varias pessoas denúnciaram o mesmo problema mas nada foi feito então resolvi pesquisar e vi que esse problema aconteceu em toda a cidade, não fui candidata mas estava por dentro de como era pois gostaria de ser candidata em 2012 mas agora fico pensando e se acontecer de novo, reclamar pra quem se um |Dep. Estadual nada pode fazer quem sou eu para fazer algo.
    Só tenho a lamentar pelo ocorrido e dizer que se nada for feito, o meu voto nunca mais entra em uma urna.

  4. E tem muita cidades com o mesmo problema…vejam

    Encontro de Coligações, Partidos e Candidatos do Sul de Minas discute indícios de fraudes nas Urnas Eletrônicas nas últimas eleições.

    Movimento conta com a participação de representantes de 32 Municípios das Regionais Sul I e Sul II,perfazendo um total de 752 mil eleitores.

    Já ocorreram três reuniões, sendo que a primeira ocorreu no dia 31 de outubro passado, na cidade de Campanha/MG,a segunda ocorreu em Santa Rita do Sapucaí, no dia 07 de novembro e a terceira dia 12 de novembro,também em Santa Rita do Sapucaí.

    Representantes de Partidos, de Coligações e candidatos após constatação de vários indícios de fraude nas eleições que ocorreram no último dia 05 de outubro em vários municípios, sempre questionados pelos eleitores que querem saber para onde foram os seus votos, decidiram compartilhar as constatações e discutir os indícios, visando contribuir na elucidação dos fatos e assim garantirem a lisura do pleito eleitoral.

    Os primeiros indícios foram descobertos por reclamações de eleitores sobre ocorrências de procedimentos contrários ao correto funcionamento das Urnas Eletrônicas nas últimas Eleições de 05 de outubro.

    Dentre estas ocorrências destacam-se:

    Fotografias dos Candidatos que apareciam no momento do voto eram divergentes da opção digitada pelo Eleitor;

    Não aparecimento de nenhuma fotografia de candidato que era a opção digitada pelo eleitor no momento do voto,o que poderia tê-lo induzido a anular o voto,na tentativa de corrigir seu voto. Fotografia que “ia” ao fundo da tela e “retornava” após ser acionada a tecla “CONFIRMA”;

    Necessidade de várias reteclagens para se obter a “confirmação” do voto;

    Finalização do voto antes que o eleitor digitasse a tecla “CONFIRMA”;

    Várias seqüências de urnas de um mesmo candidato apresentando números iguais de votos e todos pares;

    Registro de votos de eleitores já falecidos;

    Ante estas e outras ocorrências, soma-se:

    O resultado surpreendente e divergente do que apontavam as pesquisas;

    Previsão exata do resultado pelos vencedores, em número de votos e percentuais, inclusive percentuais dos votos válidos, dando quais os candidatos majoritários e proporcionais seriam eleitos;

    Coincidências estatísticas nos resultados (proporções e quantidade de votos quase constantes;

    Percentual de votos nulos, brancos e de abstenções destoantes das médias das outras urnas de um mesmo município,com um alto índice de nulos,o que vem a reforçar que o não aparecimento das fotos nas urnas pode ter induzido o eleitor a anular o voto;

    Soma de votos atribuídos aos candidatos, votos brancos, nulos e abstenções, restou maior do que o número de eleitores;

    Antecipação dos preparativos de comemoração pelos vencedores;

    Campanha modesta e desmotivada dos vencedores;

    Apostas com certeza dos resultados, inclusive com acerto sobre a diferença que as urnas apresentariam e os candidatos proporcionais que seriam os eleitos, mesmo em disputas acirradas;

    Omissão por parte dos vencedores na Fiscalização de “Boca de Urna” e intensificação na fiscalização do comportamento da Urna nas Seções de Votação;

    Dos Comportamentos que demonstram que os vencedores tinham certeza que os resultados que as Urnas apresentariam lhes seriam favoráveis;

    Pane no serviço de telefonia celular das 16h às 19h em várias cidades no dia da eleição;

    Suspeita da presença de “hackers” hospedados em hotéis em várias cidades nos dias que antecederam as eleições;

    Carga efetuada, pelo que já se sabe, em uma Urna Eletrônica no dia 03/10/08, sem a devida convocação de fiscais dos Partidos, das Coligações ou da OAB, conforme estabelece a Resolução do TSE,fato este que poderá se repetir em outros municípios onde possam,vir a ser permitidos a verificação das urnas;

    Irregularidades no preenchimento das atas de votação, com identificação de Urna Eletrônica com numeração inexistente ou repetida para Urnas de Seções diferentes;

    Todos estes e outros indícios serão discutidos no âmbito da Justiça para se apurar fraudes nas eleições, em especial no que tange a manipulações irregulares nas Urnas Eletrônicas e nos resultados das eleições.

    Em suas reuniões os representantes de 32 municípios da Região deliberaram sobre a tomada das seguintes providências:

    Que cada Município participante do Movimento Peticione à Justiça Eleitoral requerendo os documentos e arquivos de registro seguintes:

    Atas Circunstanciadas das Sessões Públicas de carregamento e inseminação de dados nas Urnas Eletrônicas utilizadas, inclusive das Urnas de contingência;

    Tabela de correspondência entre as Urnas Eletrônicas e suas cargas respectivas;

    Atas de Votação e Atas de Apuração;

    Arquivos com registros dos eventos de Log de todas as Urnas Eletrônicas, inclusive das utilizadas em contingências;

    Última versão do software “LOGVIEW” para conversão dos arquivos de log de arquivo binário para arquivo texto;

    Arquivos de Registro Digital de Voto – RDV, das Urnas Eletrônicas;

    Assinaturas Digitais dos Softwares de funcionamento das Urnas Eletrônicas e que garantem sua autenticidade;

    Espelhos e Boletins de Urna com resultado de votação dos candidatos (Proporcionais e Majoritários), por Urna e por Candidato.

    Que os arquivos e registros acima, referentes a cada Município, sejam periciados por técnico especialista a ser contratado pelo Movimento para posterior ajuizamento de medida cabível.

    Pedimos a colaboração da Imprensa para a divulgação das ações deste Movimento pela Transparência e Segurança do Voto Eletrônico (MTSV), como forma de obtermos resultados na apuração dos fatos.

    Desta transparência virá a legitimidade do pleito, a legitimidade dos eleitos, o fundamento das relações políticas numa sociedade que se quer democrática e de direito.

    Acaiaca, Andradas, Andrelândia, Arantina, Boa Esperança, Bom Repouso, Borda da Mata, Camanducaia, Cambuquira, Campanha, Cássia, Conceição da Aparecida, Formiga, Gonçalves, Guapé, Guaxupé, Heliodora, Inconfidentes, Itajubá, Lambari, Machado, Monte Sião, Ouro Fino, Paraisópolis, Passos, Piranguinho, Pouso Alegre, Santa Rita do Sapucaí, São Gonçalo do Sapucaí, São Lourenço, Sapucaí Mirim e Varginha,Santa Barbara.

  5. O TSE Tribunal Superior Eleitoral deveria ser TRIBUNAL SUPERIOR ERREITORAL, pois não é possível que eles não vejam ou simplismente ignoram o fato das fraudes nas urnas, aqui em Itapevi como em outras cidades foi descarado o golpe dado pelos candidatos poderosos, eu em particular digitei o número 33123 candidato ALEX DEIVE e para minha surpresa apareceu a foto do Candidato CASÃO de número 10123 achei estranho, cancelei e repeti meu voto 33123 e novamente apareceu CASÃO 10123, reclamei mas o mesario disse que o voto ia para o meu candidato era só um erro de foto, mas agora depois de ver varias denúncias acho que fui enganada.
    Onde vamos parar aqui não temos democracia para escolher nossos candidatos temos que votar em quem eles querem, então quero meu voto de volta, e rápido.

  6. Hélio, acho muito interessante isso pois ninguiem liga pra nada a urna deveria se chamar “BURLA ELETRÔNICA” e o que aconteceu aqui , aconteceu em varias cidades do Brasil, mas dizem que são choros de candidatos derrotados ,mas não é verdade derrotados foram os eleitores que tiveram seus votos manipulados, um dos maiores especialistas e advogado em direito eleitoral ALBERTO ROLLO disse em uma materia para a BAND: “Me desculpem por não ter acreditado antes, mas agora estou certo houve fraude sim nas eleições” veja a materia no link abaixo e cvaso queira entrar em contato: estruturajunior@uol.com.br. O LINK É: http://www.youtube.com/watch?v=c_K1l35yaVw

  7. Sinval,

    Isso é muito grave: deves entrar com uma ação junto à Justiça Eleitoral. Depois, ao Ministério Público Federal e, finalmente, ao Supremo Tribunal Federal.

    Deves procurar depoimentos a respeito da fraude, fotos, vídeos e entrevistas.

    Se queres ajuda, eu publico pra ti e espalho a discussão em dezenas de blogs importantes do país inteiro.

    []’s,
    Hélio

  8. Aqui em Itapevi na grande São Paulo os eleitores já estão dizendo que são ERREITORES mas não é verdade aqui houve fraude também porque varias pessoas dizem que foram votar em determinado candidato e a foto era de outro ou simplismente nem foto aparecia e sempre os mesarios diziam que era só confirmar, mas confirmar o que se não sabia quem era pois não havia foto e eles ficavam bravos se alguem reclamar, foi uma eleição estranha com resultados esquisito, más o mais estranho foi a cidade ficar sem oposição pois os 13 vereadores eleitos aqui são da situação, candidatos queridos pela população tiveram votos irrisórios e os com a maior rejeição foram os mais votados isso foi ridículo, acho que a PF deveria investigar esses casos, acho tambem que deveria sair das urnas um comprovante em quem voce votou

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s