ILUSÕES E DESILUSÕES DE UM MILITANTE DE ESQUERDA BURGUÊS

Bem sei que minha opinião formada por um olhar que me força sempre a duelar contra as minhas crenças a fim de encontrar nelas as suas próprias idiossincrasias ou contradições através do distanciamento crítico cria muitas discordâncias em relação ao pensamento da própria esquerda bovina (sim, os bovinos estão por toda a parte na capital e no RS).

Fui líder estudantil no final do 1º grau em escola pública. Estudei em universidade pública, gratuita e, até então, ainda de qualidade. Viajei pelo país em três ENECOMs; fui militante do PT durante quase duas décadas e, sempre que tiver tempo ou julgar minha opinião útil e – acima de tudo – passível de ser devidamente ouvida, respeitada e aceita, ainda participarei eventualmente de reuniões no diretório municipal.

Tenho vários episódios de embates urbanos durante campanhas partidárias-eleitorais que, felizmente, posso garantir com toda a honestidade do mundo que JAMAIS foram provocadas por mim ou por qualquer um dos millitantes que estavam junto comigo em tais ocasiões:

1) No canteiro defronte à Praça da ENCOL, um homem com menos de 40 anos muito bem vestido e bem grande (gordão e com cerca de 1,90m de altura), arrogante e irônico, atravessou a rua para provocar a nossa militância. Algumas professoras estaduais e seus filhos queriam apelar para a ignorância. Felizmente, meu distanciamento permitiu-me ser o único do grupo a enxergar um carro estacionado defronte à praça com um cara de estilo muito parecido com o do que veio nos provocar cujo motorista estava sorrindo com uma câmera de vídeo. Prontamente, apontei-o para todos e apartei o princípio de desentendimento (1994);

2) Quase fui atropelado com o sinal fechado por um jovem motorista de um Gol que sentiu-se muito incomodado com as bandeiras do PT tomando conta do cruzamento da Mostardeiro com a Goethe defronte ao Parcão de maneira alegre, pacífica e hegemônica (1998);

3) Me deixei ser “espancado” pelo inócuo “pauzinho de plástico” da bandeira de uma eleitora do Rigotto defronte ao HSBC da 24 com Olavo Barreto Viana. Se o filho dela não fosse um guri sensato, a merda estaria feita: eu tinha tanta razão que fiquei parado e ameacei processá-la e chamar a imprensa (2002);

4) De 1989 até 2006 (a última campanha da qual participei nas ruas), sempre bandeirando nas avenidas Nilo Peçanha, Carlos Gomes, Plínio Brasil Milano, 24 de Outubro, Goethe, Independência, Osvaldo Aranha, Parcão, Redenção, Gasômetro e indo a todos os comícios no Largo da EPATUR (em 2008, foi a primeira vez que eu sequer soube quando haveria algum comício e perdi os dois ou três que ocorreram), cansei de ser abordado por pessoas que perguntavam se eu era CC, professor, funcionário público, dirigente sindical, delegado de partido, desempregado, se não tinha coisa melhor pra fazer, “como é que um moço tão [‘bonito, inteligente, alegre, cheio de energia’, etc. – dependendo do interlocutor, que quase sempre, esteve enganado em relação a mim] é capaz ‘disso’?”

Além dessas histórias urbanas, sempre tive calorosas, pouco civilizadas e extremamente traumatizantes discussões familiares (sobretudo quando eu era muito novo e era conscientemente censurado e inconscientemente humilhado perante estranhos pelo meu pai e pelo meu irmão), as quais durante muitos anos, mesmo coberto de razão, não conseguia saber me defender nem contra-atacar de maneira racional e fidalga. Essas são as marcas que mais doem e que nunca irão se apagar: mesmo sem ódio, sem raiva e procurando evitar esse tipo de desgaste, não nego minha fraqueza de, mesmo conseguindo entender o porquê deles serem assim, é impossível para mim não guardar rancor. Nenhuma demonstração atual ou futura de amor, carinho, atenção, respeito, solidariedade ou coisa parecida até hoje foi capaz de fazer com que eu esqueça, minimize ou seja capaz de me sentir melhor em relação a esses sentimentos.

Meus bons e velhos amigos, em muitos momentos foram mais significativos e mais importantes em termos de empatia e de afinidade do que com a minha própria família. Contudo, hoje sei que não há como contar nem com os amigos, nem com a família para tudo: cada grupo de afeto e de identidade supre determinadas necessidades individuais e coletivas, mas é incapaz de satisfazer a todas.

As escolhas profissionais e a maneira com que cada um foi criado, mesmo tendo uma adolescência de esquerda a partir de pais entre 10 e 20 anos mais jovens do que os meus que efetivamente tentaram lutar contra a ditadura civil e militar de direita, hoje são muito divergentes das minhas: pode-se dizer que eu nunca consegui ser pragmático e que sempre tive severas divergências em relação a me tornar ou a me sentir como um escravo do “deus-mercado”. Mantendo-me parcialmente à margem do sistema, ainda não tive filhos, não possuo patrimônio, não viajei pelo mundo e não consegui estabelecer uma rede social capaz de me ajudar profissionalmente.

Foi extremamente difícil tentar integrar-me a esse sistema. Demorei muito tempo até descobrir minha vocação autêntica e para entender que politicagem, subjetividade e, acima de tudo, a necessidade de estabelecer laços HONESTOS e SINCEROS com pessoas influentes (ou muito populares, ou dotadas de um alto poder político, social e/ou financeiro) é a única forma de se conseguir chegar aonde se quer sem sectarismo e com a capacidade de poder circular com respeito por vários ambientes diferentes inclusive em meio a severas divergências.

Jamais mudarei de lado. Porém, sei que que meu ponto-de-vista baseado em uma matriz teórica contemporânea gera um afastamento da visão reducionista e simplista que é progressivamente irreversível e autofágica em função da miopia da única forma aceita e conhecida de se fazer política: partidos e sindicatos mandam, os outros “bedecem”.

A paixão, a idolatria e a defesa incondicional de práticas e de pessoas cuja contribuição política e cidadã não vale meio centavo furado em relação a tudo o que OLÍVIO DUTRA protagonizou me fez estudar e pesquisar seriamente outras alternativas legitimamente políticas, politizadas e politizantes, atuantes, ativistas, cidadãs, esclarecidas e mobilizantes ainda emergentes cujos resultados têm sido muito mais eficientes do que sob lideranças centralizadoras baseadas em uma visão atrasada e retrógrada (que não tem nada a ver com o discurso direitista do ‘novo’).

Para mim, o declínio do sistema representativo político baseado em partidos cujo financiamento de campanha funciona de maneira X e que depende de uma espécie de relacionamento Y a fim de sobreviver às forças conservadoras (banqueiros, megacorporações globais, latifundiários, agronegócio, políticos de direita e corporações de mídia) exige uma ampla discussão a fim de buscar uma nova legislação capaz de fazer com que alterações profundas nesse modelo falido possam fazer com que ele volte a fazer sentido para a sociedade como um todo.

Enfim… Tudo o que demanda centralização, autoritarismo e pensamento único me torna extremamente pessimista e faz com que eu, alguém disposto e interessado em debater a respeito de qualquer coisa desde sempre, chegue ao extremo de considerar perda de tempo discutir política sob os moldes partidários, eleitorais e representativos sob este modelo.

Há muita gente extremamente lutadora, de biografia tão longa quanto significativa e que é muito conhecida no meio da esquerda sul-riograndense por uma quantidade enorme de militantes mergulhando em uma espiral de ilusão, de auto-enganação e de incapacidade total de analisar o macroambiente, por mais que leia, por mais que participe de palestras e cursos, por mais que viaje.

Há, também dentro da própria esquerda sindical e partidária, lamentáveis feudos de clientelismo, nepotismo e falsos consensos que em nada diferenciam-se das práticas autoritárias, intolerantes, ignorantes, sectárias e oportunistas da direita.

Quando falei em VOTO NULO como uma forma legítima, consciente e nada alienada de protesto e quando falei que o BRASIL já possui dezenas de provas empíricas e teóricas suficientemente sólidas para justificar a reivindicação pelo VOTO FACULTATIVO, fui extremamente criticado. Sei também que minha posição contra a centralização e contra a visão atual do papel de partidos e sindicatos de esquerda obviamente espantou durante todo o período pré e pós-eleitoral de 2008 uma quantidade significativa de leitores deste blog.

Acho trágico verificar que há tantos blogueiro, leitores de blogs e funcionários públicos da ativa ou aposentados que foram hippies, líderes estudantis, presos políticos, exilados, torturados incapazes de acompanhar ou aceitar que o planeta gira e que águas passadas não movem o moinho.

Mais trágico ainda é lembrá-los de que um dia já ouviram METAMORFOSE AMBULANTE de RAUL SEIXAS mas, hoje em dia, tornaram-se tão conservadores e dotados da mesma “opinião formada sobre tudo” a quem tanto criticavam na sua juventude.

Pior: não adianta nada irem às ruas, escrever, participar de movimentos sociais ou coisa parecida quando, inconscientemente, ao invés de serem transformadores e questionadores como pensam que são, no fundo, sequer perceberam que o tempo os transformou naquelas PESSOAS DA SALA DE JANTAR.

Sua MUTAÇÃO às avessas lembra a CAROLINA de CHICO BUARQUE – aquela que não viu o tempo passar na janela…

Anúncios
Sobre

Prof. M.S. @heliopaz | @unisinos | @comdig | @agexcom | @jetunisinos | @cultdigitalunis | @gremiosempre | http://bitly.com/tNhPU3

Marcado com: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Publicado em ATIVISTAS
4 comentários em “ILUSÕES E DESILUSÕES DE UM MILITANTE DE ESQUERDA BURGUÊS
  1. Hélio Sassen Paz disse:

    ROBERT,

    Eu até já postei sobre isso: na Grande POA, à exceção do Vale dos Sinos, o resto são cidades-dormitório muito pobres, com classes médias relativamente pequenas e uma considerável massa de operários. O discurso do PT ainda funciona bem em um contexto desses.

    Porém, em POA, independentemente da ofensiva da mídia corporativa, a classe média hoje prevalece graças ao Governo Lula. Muitos dos que sobem um degrau passam a se comportar como se fossem ricos, cuspindo no prato em que comeram tanto para serem aceitos pelo topo da pirâmide como pelo medo de voltar a viver à beira da sarjeta.

    E aqui temos muitas empresas privadas no terceiro setor (serviços), ao passo que a quantidade de indústrias gera uma quantidade de empregos e de riqueza relativamente baixa para uma capital do porte de POA.

    Pesa no Vale dos Sinos uma tradição ultraconservadora desgastada pelos problemas que a indústria coureiro-calçadista enfrenta desde o Desgoverno Britto. São Leopoldo já havia-se acostumado com a esquerda. Desta vez, como até no pólo da região a coisa anda muito feia (Nóia), o PT ganhou seu espaço.

    E em Canoas a corrupção estava mais do que descarada.

    No resto, mesmo conquistando mais e novos municípios, o PT perdeu muito, pois perdeu nas cidades mais conhecidas e com colégios eleitorais maiores.

    É por isso que eu estou insistindo em tentar novas formas de resistência: uma não anula a outra. Mas o modelo falido de representatividade deve ser posto em segundo plano.

    []’s,
    Hélio

  2. Robert disse:

    Hélio
    Moro em São Leopoldo mas voto e trabalho em Porto Alegre.
    Aonde eu voto e morava tb – o Fogaça no 1º turno teve mais de 50% dos votos, depois de ver os dados fiquei apavorado como um nada conseguiu isto pensei pensei e não achei explicações – as ruas esburracadas – sem iluminação – as praças com mato tomado – os canteiros com grama alta – o cordão da calçada sem tinta há anos – não compreendo e não consigo compreender – o sentimento anti petista está claro e está sendo cultivado pela meios de comunicação – o que era meio escondido hoje é escancarado.
    Como você parei de militar tb em 2006 – tive meu carro todo arranhado e arquei com um preju daqueles – tenho uma filha pequena – o maior patrimônio de todos – que não pode ser colocado em risco por meros imbecis que não aceitam a manifestação dos outros, por isso parei de adesivar o carro – casa – camiseta.
    Pelo menos aonde moro – São Léo – o PT está fazendo história mais de 70% de votos – que em terra de alemão é um grande sucesso

  3. Hélio Sassen Paz disse:

    VITORINO,

    Já faz muito tempo que venho acompanhando dezenas de blogs independentes de esquerda cujos temas mais freqüentes são política e crítica das práticas da mídia corporativa tanto no Brasil como mais especificamente no RS e em POA.

    Sei como é difícil crer em uma nova organização do espaço público, em uma nova forma constitucional de representatividade e em movimentos emergentes sem lideranças centralizadoras. Porém, tal alternativa já tem obtido sucesso em países onde a concentração dos veículos de comunicação de massa não está nas mãos de políticos e onde há também uma maior pulverização de seus donos.

    A AMOVITA já obteve uma vitória parcial contra a PUCRS, os AMIGOS DA GONÇALO DE CARVALHO conseguiram o tombamento da rua e vários blogs de associações de bairro estão mobilizados contra o Projeto Pontal do Estaleiro (PORTO ALEGRE VIVE, BAIRRO AUXILIADORA, MOINHOS VIVE, VILA ASSUNÇÃO, etc.).

    A pulverização da informação através da blogosfera atraindo novos moradores a participar das reuniões presenciais dessas entidades de bairros e também a pressionar o poder público contra essa série de arbitrariedades funciona melhor do que depender da falta de boa vontade, da burocracia e da desorganização do Estado e também das migalhas das grandes empresas.

    []’s,
    Hélio

  4. Vitorino Mesquita disse:

    Acesso todo dia o teu blog. Comungo com grande parte do que dizes. Sou um ex-filiado que continua votando no PT de cabo a rabo. Discordo da questão de que temos de fazer política fora dos partidos. Vamos para casa e deixamos os mesmos de sempre mandando e incutindo coisas no povão. Não sei …
    Sempre participei das campanhas até 2006. Agora me senti um peixe fora d’água. Fazer o quê? Assistir de camarote os caras patrolarem? A imbecilização e endireitamento da sociedade guasca? Ficar ao largo e não fazer nada. Ter de assistir e ouvir as coisas mais incoerentes e ficar quieto? É isso? Ser mais um bovino?
    Teria mais mas vamos ficando por aqui.
    Vitorino

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

page views
  • 308,296 (d. 12/05/2006)
Free hit counter estatísticas heliopaz.wordpress
comentários
Suzimary em PIRÂMIDE DO CAPITALISMO (…
Ivo Antônio Barra em E-MAILS DOS MINISTROS DO …
maison pereira lima em E-MAILS DOS MINISTROS DO …
Francisco Reginaldo… em E-MAILS DOS MINISTROS DO …
Francisco Reginaldo… em E-MAILS DOS MINISTROS DO …
%d blogueiros gostam disto: