+ SOBRE VOTO NULO

9 comentários sobre “+ SOBRE VOTO NULO”

  1. Obrigado a todos que postaram comentários sobre esta questão. Foram todos muito bons! :)

    Respondo especialmente ao ROBERT: sim, eu tanto apóio como critico o PT. Apóio quando ele defende valores de esquerda essencialmente humanistas e quando não participa do mesmo toma-lá-dá-cá da direita. O fato de eu votar para vereador em alguém do PT e de não votar em ninguém para prefeito de Porto Alegre, assim como as decepções e os valores ainda existentes em alguns segmentos do PT gaúcho têm bastante relação com o que a Cláudia escreveu logo acima (respeito às origens) e também com o que o Saroba escreveu (falência do sistema político-eleitoral-representativo-legal vigente + esperança e lembrança no lado bom do que ainda resta do PT).

    A questão da Luciana Genro é mais complexa: antes ela tivesse criticado o que era para o PT ter sido e não o que ele nunca foi ou no que se tornou. A forma dela criticar faz com que o PSOL também faça uma guinada à direita sem sequer perceber. É muito diferente criticar as práticas de alguém do mesmo campo ideológico permanecendo no mesmo campo e reconhecendo o outro mais como aliado do que como oposição do que partir para uma circularidade que faz com que o seu discurso defenestrador de outro ente do seu mesmo lado o coloque no lado oposto.

    Ao fazer o PT girar 180º, o PSOL não percebe que ele apenas endossa o que a extrema direita pensa do PT.

    Por outro lado, minhas críticas são pontuais. Não considero o PT neoliberal nem necessariamente vendido mas, sim, obrigado a fazer concessões ideológicas inadmissíveis para a sua base histórica caso queira permanecer no poder.

    Logo, não existe mais certeza se as conquistas econômicas do Governo Lula são reamente maiores do que as perdas sociais ou não. Caso a balança esteja equilibrada no meio ou penda para a direita, então o procedimento está sendo exatamente o mesmo de todos os governos explicitamente caracterizados como conservadores.

    Nesse ponto, não me sinto representado por ninguém.

    []’s,
    Hélio

  2. Respeito muito a origem do PT: movimentos sociais da cidade e do campo, parte da igreja católica e intelectualidade. Afora a minha desconfiança a qualquer tipo de religião, há quase 30 anos atrás esta formação inicial foi responsável por uma nova geração de políticos – alguns já velhinhos hoje… risos…
    Lamentavelmente, a partir dos anos 90, uma política, digamos, mais agressiva, impulsionada a vencer a eleição majoritária a qualquer custo, transformou o partido – não todo a bem da verdade. Pois as tendências sempre disputaram internamente e os acontecimentos descobertos no ano 2005 foram fruto dessas escolhas internas – não derrotadas no último PED.
    Por isso as críticas de que o PT mudou e está se tornando um partido tradicional como qualquer outro de direita. No entanto, algumas das tendências derrotadas continuam no partido, bem como mantêm políticos e filiados, um dado que aponta que nem tudo está perdido para o PT.
    A crise da política se dá, na medida em que poucos se interessam por ela. No entanto, a direita é muito mais articulada, pois sempre soube que é importante estar no poder para manter seus interesses privados. E é aí que a porca torce o rabo: a esquerda se fragmenta por N razões, mas a direita se concentra cada vez mais.
    O fascismo crescente nos EUA e UE, e a campanha midiática contra os governos eleitos na AL são exemplos de que a turma é incansável na defesa de suas “garantias ancestrais”.
    Por isso, nesse 1º turno, voto no PT e o meu candidato a vereador é o único político que tem, como bandeira, a democratização da comunicação, a economia solidária e o software livre, bem como trabalhar junto aos movimentos sociais.
    Acho que a Manuela não emplaca, deve ser Rosário e Fogaça no final das contas.
    E qaundo o PSOL parar com suas campanhas moralistas e baixar a crista de um partido que nasceu sem base popular – teve que construí-la no processo, quem sabe, um dia, se se confirmar a bancarrota do PT, eu possa mudar meu olhar sobre este partido, que iniciou com o mesmo ranço petista SEM PERCEBER A MÍDIA COMO UM PROBLEMA POLÍTICO ESTRATÉGICO A SER ENFRENTADO.

  3. É anti-Luciana Genro por birrinha de um livro detonando o PT?
    Não conheço o dito livro, mas faz alguns que o PT anda merecendo ser bem detonado. Tu mesmo faz isso de vez em quando.
    Querendo ou não, acreditando ou não, o PSOL e mais uns partidos menores são o que um dia foi a esquerda do PT. E pular do PT pro nulo é meramente fazer questão de desistir.

  4. Alguém (num jornal) riu do David Lynch porque ele afirmou algo como “teremos paz quando mais pessoas tiverem paz”, em alguma entrevista aqui em POA.
    Soou como uma ridícula e vazia tautologia.
    Mas não era isso, ele estava dando uma reviravolta semelhante à reviravolta que o Hélio faz: ele não discute a sua inserção política a partir dos discursos dos políticos, nem dos textos, nem dos programas, nem de propostas gerais de mudança.
    Ele discute a partir de suas observações e análises.
    Ou seja, teremos política melhor quando mais pessoas (indivíduos, pois é, isso ainda existe) pensarem e se posicionarem politicamente.
    Viva!
    É isso, teremos uma política sã, decente, humana, quando mais gente usar a sua cabeça pra pensar e analisar o que acontece. Dedicando tempo, cuca aberta e bons princípios para julgar.
    E olha, com esse programa do Hélio, eu até votaria nele, se ele se candidatasse….
    Quanto aos atuais candidatos, ai, ai, ai, eu acho que eles estão praticando suicídio a prestação.

  5. O que precisamos com URGÊNCIA, caro Helio, é uma reforma política. Uma constituinte política como está sendo demandada por setores do congresso – EXCLUSIVA – ou seja, quem for eleito para ela não irá dividir seu tempo legislando o país. Muitas coisas tem que mudar. A primeira delas é que as regras de cada eleição são decididas pouco tempo antes de cada uma. Isto é inconcebível!
    A questão da representatividade proporcional também tem que ser modificada. Cada brasileiro = 1 voto e o voto terá o mesmo peso em qualquer lugar deste Brasil.
    Tenho como idéia que nosso sistema bi-cameral não alcança seus objetivos tendo tanto a Câmara como o Senado as mesmas funções, burocratizando o processo.
    Extingue-se o Senado, diminui a desigualdade de representatividade (ver, por exemplo o número de votos necessários para um senador em Roraima e em Minas Gerais).
    Tudo isto com muita participação popular e plebiscito para aprovação das modificações.
    Sim, tenho 17 anos a mais do que vc, ou 18… Vivi algumas situações que vc não viveu. Apesar de saber que aos 16 vc pode votar para presidente após longo período onde isto não aconteceu não responde por tudo que a geração que te antecedeu sofreu na pele.
    Tivemos 4 governos do PT em Porto Alegre sendo que 1 e 3/4 foram conduzidos pelo mesmo grupo que o Rossetto pertence, acho que o pessoal achou que era hora de mudar.
    Mais o governo um do Olívio e 1 e 1/4 governo do Tarso Genro.
    Em Porto Alegre certamente estaria nas ruas com Maria do Rosário assim como estive nas ruas com o Raul Pont nas últimas eleições. O desgaste que sentíamos depois de 16 anos de administração, somados aos nossos erros – que não foram poucos, é claro, impuseram nossa derrota. Mas o pior governo da Administração Popular da de 10 neste governinho do Fogaça…
    E são 4 anos a mais para sofrer.
    Dito isto, em Porto Alegre sou Maria do Rosário (13) Prefeita e Ana Ceres (13513) vereadora.
    Saroba

  6. Outro dia eu peguei um taxi. Quando eu pego um taxi eu converso com o motorista. E a conversa foi para a política. Não sei se é coincidência, mas parece que não existe taxista que goste do PT. Quando eles dizem que não gostam do PT eu pergunto para eles, por que? Ah, porque eles são muito arrogantes, se acham o máximo. Fiquei pensando, flor de arrogante é a nossa governadora. E ela, a nossa governadora não é arrogante? Ele me disse, também é, mas ela não é do PT. O trânsito estava trancado, o motorista me disse, esse Fogaça está fazendo de tudo para perder a eleição. está fazendo obras viárias no horário de pique. Por que não faz a noite, de madrugada? Eu concordei com ele.

  7. Concordo que uma votação nula maciça em que se tornasse amplamente conhecido o motivo do protesto poderia ter resultados práticos.

    Da maneira como de fato ocorreria, sem uma massa de votos nulos significativa, que creio ser algo acima de 50%, tal ação seria completamente inócuo. Pior, vc deixa de influenciar positivamente uma eleição e passa a influencia-la negativamente, esvaziando os votos daqueles mais conscientes, incluindo vc mesmo.

    Nenhum candidato ou partido político vai algum dia representar completamente aquilo que considero correto, então devo votar em mim mesmo ou anular?

    Meu voto é uma pequenina maneira de influência concreta. Não a trocaria por uma mera possibilidade de influência, ainda mais com igual possibilidade do tiro sair pela culatra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s