Crítica do Pensamento da Classe Média

A maioria das pessoas que têm 3º grau no Brasil e não teve a honra de aprender a ser mais humana, mais sincera, mais solidária e mais honesta consigo mesma carece de uma visão social mais ampla.

A cultura da sociedade de consumo desenfreado, que valoriza mais o “ter” do que o “ser”, faz com que essa parcela da população se ache rica quando, na verdade, está muito longe da riqueza. Tudo porque, felizmente, vive longe da falta de moradia, de comida, de higiene, de instrução e de lazer. Considera-se privilegiada só porque trabalha em uma empresa “de marca”, onde ilude-se achando que é “indispensável”.

Outros passaram em um concurso público com um bom salário e um cargo que lhes dá status. Todavia, ignoram a sua importância como engrenagens a serviço do cidadão, restringindo-se a tão-somente exercer as tarefas para as quais estão sendo pagos.

Seus momentos de lazer e de descanso são desperdiçados apenas com frívolas visitas familiares; brincando com seus filhos (caso lembrem-se do quão importante é a sua presença para a formação de sua personalidade), em um restaurante, em uma festa ou numa viagem.

Não que isso não seja interessante, útil, renovador, relaxante. Mas é muito pouco em termos sociais: o mundo é muito mais do que apenas fazer o dinheiro circular (quando puder).

Essas pessoas estão acostumadas a serem informadas prioritariamente pelos jornais, revistas e rádio. Embora haja concorrência entre veículos e ninguém seja obrigado a ler, ouvir ou ver o que não quer, não sabem que aquelas notícias têm um outro lado da história e que todas as suas referências de consumo midiático falam a mesma coisa com o mesmíssimo objetivo, apenas utilizando palavras um pouco diferentes.

Este é o chamado PUM: Pensamento Único da Mídia.

O PUM existe para que o cidadão não exerça a sua cidadania em prol dos que mais precisam. O PUM não incentiva as pessoas a serem solidárias ocupando o papel de verdadeiros atores sociais, conscientes da sua utilidade e da sua obrigação para com os outros seres humanos: o PUM induz as pessoas a serem reles reprodutores das idéias que os mentores e maiores beneficiados por esse suposto pensamento único, reagindo com ações previsíveis, comportando-se de maneira uniforme e questionando pouco ou quase nada as mazelas da sociedade.

O PUM gera uma sociedade passiva: é o pensamento único da classe média ignorante.

Essa classe média ignorante engloba a esmagadora maioria dos profissionais mais requisitados do “mercado” que, em tese, deveriam estar entre os mais esclarecidos e entre os mais ponderados: advogados, médicos, dentistas, psicólogos, engenheiros, administradores, jornalistas, publicitários, relações públicas, professores e desenvolvedores de software.

A maioria dessas pessoas não rouba, não mata, não mente com o intuito de ferrar alguém, procriam, se divertem, são simpáticas, trabalhadoras, esforçadas e inteligentes.

Contudo, vivem acreditando em quem menos deveriam acreditar!!!

Vivem temendo cada vez mais o que deveriam temer cada vez menos!!!

Não percebem que são os pilares de sustentação da má educação, da má economia, da pior distribuição de renda do planeta.

Não, elas não merecem ter o carro roubado, o celular furtado, a casa arrombada. Não, a classe média não merece perder o emprego, apanhar na rua, ser humilhada, discriminada, sofrer estupro, levar um tiro, ser torturada ou ter um filho pequeno moído no asfalto.

Mas ela paga pela sua ignorância.

Ela peca pela sua ignorância.

Ignorância adquirida graças ao PUM.

O PUM gera a violência dos oprimidos sobre a barreira formada pelos pseudo-oprimidos que, ao mesmo tempo, são pequenos opressores.

Os pseudo-ricos são pseudo-culturados.

Eles são o resultado do lixo que foi a educação recebida durante o Governo Militar, que acabou com o senso crítico e – mais do que isso – com a sensibilidade ao eliminar Teatro, Música, Artes Aplicadas e noções de Filosofia, Sociologia e Psicologia do currículo escolar.

Esse conhecimento humanístico foi limado tanto das escolas públicas como particulares.

E transformou o grosso da classe média entre 30 e 60 anos em pseudo-gente.

A classe B ou média alta é a pseudo-classe, pois não existe classe nenhuma na ignorância social. É composta apenas por pseudo-pessoas, que por sua vez, perdem feio em sensibilidade humana para os ótimos frutos da inclusão social a partir do trabalho voluntário (alunos de oficinas de teatro, dança, música, pátina, rap, hip-hop, fotografia, cinema e vídeo, cooperativismo, cursos de idiomas, informática e internet).

Os frutos do Bolsa Família e do ProUni já estão chegando acima da linha da pobreza física e social. Eles são a classe C, que não precisa da B para dizer-lhes quem são e até onde podem chegar. Afinal de contas, o céu da B tem fim porque o sonho deles acabou.
A classe C em estética e na profundidade do bolso é melhor do que a A e a B juntas em termos de respeito ao próximo e na sua honesta capacidade de tentar tornar seus sonhos possíveis. Eles têm muito mais garra para, como cidadãos DE VERDADE, ir além de onde os pseudo-cidadãos já estão porque têm muita vontade de levar uma vida tranqüila. E eles jamais se esquecerão da ajuda que receberam, procurando ensinar a seus filhos e praticando eles mesmos a solidariedade humana, a compaixão, a celebração da vida e a satisfação de contribuir com um mundo melhor.

Essa é a classe C, que pôde comprar PCs baratos com ajuda do Governo. Que abriu seu pequeno negócio com taxas de juros e impostos justos e honestos para o seu tamanho. Que sabe que a dor ensina a gemer e não pretende mais sentir dor por besteira.

Se você pertence à classe B, ainda há tempo de aprender a viver como uma pessoa mais justa, mais solidária e, sem sombra de dúvida, muito mais inteligente.

technorati tags:, , ,

Blogged with Flock

13 comentários em “Crítica do Pensamento da Classe Média

  1. Rodrigo,

    Eu conheço a Juba: ela é uma excelente designer. Conheci ela na lista de usuários Mac há muito tempo. Ela é uma menina carioca que sempre gostou do RS e veio morar aqui há alguns anos atrás por opção.

    Todavia, a visão política dela é assumidamente de extrema direita e ela não tem maturidade pra respeitar posições divergentes: é algo meio Vanderlei Luxemburgo (eu ganhei, nós empatamos e eles perderam).

    Fazer o que…

    []’s,
    Hélio

  2. Hélio, esse mesmo Jubão deixou comentário lá no Cão Uivador, me chamando de “radical, fanático e imbecil alienado”.
    Ou ele é a confirmação da tua hipótese, ou depois de ler o post decidiu debochar, deixando um comentário que se encaixa exatamente no perfil descrito.
    Infelizmente, acredito mais na primeira alternativa… E é por conta de gente assim que sinto cada vez mais vontade de ir embora daqui. Só não vou agora porque tenho mais um ano de faculdade, e também porque não tenho recursos para começar uma nova vida em outro Estado.

  3. Luiz,

    Gosto de discutir com pessoas esclarecidas e inteligentes. Podem ter um pensamento diametralmente oposto ao meu, que dou espaço e respeito, discutindo com idéias. Todavia, demonstras não saber o significado das palavras nem a relação contextual das frases e dos parágrafos que lês. Afinal de contas, em nenhum momento do meu post ou dos outros comentários, ninguém disse que a classe média é o mal da sociedade ou que a sociedade não precisa dela, como deste a entender.

    Desnecessária, burra, maldosa e criminosa classe média são termos teus, fruto da tua ignorância a respeito de política, mídia e sociologia.

    Ninguém é dono da verdade. Eu preciso aprender muitas coisas e vivo constantemente a rever minhas posições à medida que tomo contato com novas e diferentes informações. Todavia, no teu caso, não existe aprendizagem nem para mim, nem para a maioria dos leitores.

    Ninguém foi tendencioso, muito menos mentiroso. O máximo dos máximos que a esmagadora maioria da classe média brasileira sabe fazer é se preocupar com o próprio umbigo e, por culpa ou compaixão, de vez em quando doa alguma peça de roupa ou alimento.

    Participação social é ser cidadão. Ser cidadão é conhecer as instâncias sociais, jurídicas e institucionais, a fim de saber quando, como, por que e a quem recorrer. É ter a iniciativa e o desprendimento de destinar parte do seu tempo para contribuir com a melhora da sociedade, ajudando a quem mais precisa.

    É saber que ninguém é perito ou autoridade naquilo que não é da sua área só porque aparece na TV ou no jornal.

    Enfim… A crítica militante só pode ser feita com honestidade de propósito e com conhecimento de causa quando ela levanta os podres da própria classe a qual o crítico pertence.

    Eu sou da classe média. Eu sou de esquerda. Eu sou acadêmico. Eu sou gaúcho. Nem por isso vou me furtar a deixar de dizer o que acho que está errado nesses setores.

    Contudo, não é porque algo contrário sai na mídia que eu vou acreditar piamente e achar que o erro está naquilo que foi veiculado. Os erros – graves – existem, sim. Mas não são aqueles que a parcela que se acha a mais esperta da sociedade mas que, no frigir dos ovos, é a mais ingênua ou, eventualmente, até mesmo mal-intencionada, acredita.

    Não acho que exista pessoa com quociente de inteligência acima de 70 “burra”. Mas há um volume triste, lamentável, deprimente, de ignorância, de preconceito, de intolerância e de falta de humildade.

    Até certo ponto, és uma vítima também. Por outro lado, és culpado.

    Pensa nisso.

    []’s,
    Hélio

  4. é impressionante que tenha gente que bata palma pra um texto tendencioso e mentiroso como esse.

    não precisa da classe B? compra coisas com a ajuda do governo???

    que mentirada é essa???

    quem é que paga essas contas? quem éque banca com os seus impostos e os juros extorsivos que paga, toda essa baboseira,e não recebe nada em troca do governo..

    pois é, a tal desnecessaria, burra, maldosa e criminosa classe média…

    pense!!!!!

  5. Helio, muito bacana este teu texto. Enxergo muito bem essas pessoas descritas em alguns conhecidos e parentes, tanto da classe B, como as da C e te digo: estás coberto de razão na tua análise! Eu te diria que a classe média está dividida entre os que lutam desesperados, para que as mudanças sociais aconteçam, e os indiferentes, que não se sentem responsabilizados pelas escolhas políticas que fazem e são os primeiros a pedir pena de morte em caso de barbárie, quando a barbárie está no momento do seu voto em Maluf, ACM, Yeda, Fogaça e companhia. Abraço!

  6. Exatamente, Hélio, a parte burra das classes A e B continua buscando a segregação e a manutenção e ampliação de privilégios, enquanto as classes C e D, também pela vontade de ascensão social, buscam a integração e o melhor, como disseste, é que no caminho dessa ascensão, defrontam-se com a necessidade inadiável de serem solidários para alcançá-la, ou simplesmente para não caírem. Já a solidariedade das classes A e B cheira mais a cartelização e conluio. É uma pena, porque eles não sabem o que estão perdendo, e fazendo perder.

  7. Esse é um resumo perfeito da sociedade decadente! Porém, acredito que os filhos dessa classe B é que ainda tem chance de aprender e mudar alguma coisa! Eu sou filha dela e todo dia procuro deixar de ser filhinha de papai e me livrar de vez da bagagem burguesa que pesa demais pro meu gosto e pra minha consciência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s